top of page

“Esse trabalho transformou a minha vida e me tornou a mulher que sou”

Publicado em:
6 de março de 2024 19:48:00
“Esse trabalho transformou a minha vida e me tornou a mulher que sou”
Divulgação
Crédito Imagem:

Manicure encontrou força no ofício para superar relacionamento abusivo, conquistar independência e garantir qualidade de vida à família

Quando faz um retrospecto da vida, a nail designer Emily Novo Batturi compreende a origem do caminho que percorreu. O trabalho da mãe como manicure é a fonte de inspiração para ter seguido carreira na área. Hoje, no entanto, ela também percebe que o trabalho e as oportunidades que surgiram dele foram responsáveis pela superação de momentos difíceis e por uma transformação.


Emily aprendeu a fazer unhas com a mãe e, o que era um hobbie no início, acabou se tornando uma profissão. “Eu praticamente nasci dentro do salão, achava lindo o trabalho que minha mãe fazia. Comecei a fazer as unhas de pessoas próximas e, quando minha mãe sofreu um acidente, eu tive que atender no lugar dela. Foi aí que tudo começou, eu tinha 18 anos”, conta.

A partir da inspiração materna e já atendendo as primeiras clientes, Emily não demorou a entender que a independência alcançada pelo trabalho, inclusive do ponto de vista financeiro, seria fundamental para enfrentar os desafios da vida, pensamento que se confirmaria mais adiante.

Nascida em Mogi Mirim (SP), Emily decidiu se mudar para Sorocaba com o sonho de aprender novas técnicas para fazer unhas diferentes. Só que, além do desafio de se estabelecer em uma nova cidade, nessa época, ela enfrentava um relacionamento abusivo.

“Eu estava em uma cidade nova e não tinha para onde ir. Eu tinha duas opções: pegar minha filha, que estava com cinco anos, minhas coisas e voltar para Mogi Mirim ou arregaçar as mangas, mostrar aquilo que eu realmente gostava de fazer, me dedicar para executar um bom trabalho e seguir minha vida aqui”, frisa Emily.

A nail designer escolheu a segunda opção, o relacionamento acabou e, logo, ela retomou o caminho da independência através de uma oportunidade de trabalho. “Fui chamada para fazer um teste e comecei a exercer a função de auxiliar de cuticulagem. Depois, tive a oportunidade de aprender a fazer alongamento de unhas. Passei a atuar como profissional em treinamento na esmalteria, virei uma nail designer e, agora, sou líder de equipe”, resume.

Hoje, Emily tem a certeza de que a carreira foi essencial para enfrentar os desafios e conquistar essa independência. “Foi o caminho para que eu pudesse estar aqui. Esse trabalho transformou a minha vida e me tornou a mulher que sou. Também influenciou naquilo que eu posso ser e oferecer à minha filha, em relação a uma qualidade de vida melhor”, completa.

Transformação de vida

Transformar a vida de outras mulheres é um dos objetivos da empreendedora e nail designer Aline Mai, que gerencia uma rede de esmalterias, a Bellamai, e oferece cursos de capacitação para profissionais da área ou interessadas em investir na carreira.

“Eu estava em um relacionamento abusivo e me separei. A primeira pessoa que me estendeu a mão foi a Aline, dando a oportunidade de estar aqui hoje. Encontrei uma pessoa que acreditava em mim, que me ensinou e mostrou o meu potencial”, relata Emily, sobre o caminho ter cruzado com a trajetória profissional de Aline.

Aline enxerga a rede de esmalterias como uma forma de empoderar mulheres, auxiliando na construção de uma independência. Além das contratações, ela oferece treinamentos constantes e até plano de carreira. 

“Através da capacitação, aliada às habilidades técnicas, as profissionais conseguem alcançar a independência financeira, que é o maior foco delas. Temos mulheres que entram como manicures e vão se desenvolvendo dentro da área, inclusive com condições de montar unidades próprias”, explica Aline.

Além da esmalteria, Aline oferece cursos para capacitar outras profissionais da área ou, até mesmo, mulheres que não são manicures, mas desejam investir na profissão. As aulas abrangem os ensinamentos básicos e, também, o método Hiper Realista, técnica desenvolvida por ela e que garante um aspecto mais natural e resistente às unhas alongadas.

Aline já ouviu que, ao compartilhar conhecimento com outras profissionais, está capacitando a concorrência, mas não acredita nisso. “Já ouvi que, treinando outras profissionais, elas iriam me passar a perna. Eu percebi que não, cada um tem a sua particularidade, seu diferencial. Então, não vejo problema em compartilhar o meu conteúdo”, destaca a empreendedora.

Atualmente, as três unidades da esmalteria contam com 45 colaboradoras e os cursos reúnem profissionais de todo o Brasil. O que move Aline, no entanto, é a transformação que o trabalho e o conhecimento compartilhado proporcionam para outras mulheres. 

“Quando comecei a levar meus cursos pelo Brasil, uma cliente perguntou o que me movia. Eu disse que não visava dinheiro, porque, na época, eu nem sabia quanto aquilo ia rentabilizar. O que me estimulava era compartilhar o conhecimento e levar empoderamento feminino, independência. Eu sempre fui manicure e queria um espaço onde essas profissionais fossem rainhas. Através dos meus cursos, eu consigo levar esse empoderamento e elas podem ser o que quiserem”, finaliza.

Leia Mais ...
bottom of page