top of page

A Copa das lições! - por Edison Pires

Publicado em:
17 de dezembro de 2022 18:48:49
A Copa das lições! - por Edison Pires
Crédito Imagem:

A Copa das lições! A Copa do Catar tem nos premiado com muito mais do que bons jogos. Ela tem nos dado a oportunidade de levar para nossa vida pessoal e profissional muito do que acontece em campo. Entre elas a “certeza de que vale a pena sonhar”, como bem definiu um comentarista do sporTV do qual não me recordo o nome, logo após a classificação do Marrocos para as semifinais ao vencer a forte equipe de Portugal. Uma vitória improvável para a grande maioria, mas, não para os marroquinos, que acreditaram nela o tempo todo. Mais do que sonhar, eles fizeram acontecer. Elaboraram esquema tático, se fartaram de coragem e determinação e não desistiram em momento algum. Não tiveram sorte, tiveram competência e garra. Como deve ser na vida de cada um de nós. Não adianta sonhar e querer, esperando que tudo “caia do céu”. Se você não correr atrás, não colocar a mão na massa, seu sonho será apenas um sonho. Postura oposta se viu com a nossa Seleção na partida em que foi desclassificada pela Croácia. Não quero dizer que nossos jogadores não queriam se classificar. Claro que queriam. Jogaram para isso. Mas, ao meu ver, o que pesou contra o Brasil foi a certeza de que o jogo já estava ganho antes mesmo de começar. Enquanto a Seleção da Croácia vestiu no peito as bandeiras croata e brasileira (não sei se você percebeu isso, amigo leitor) mostrando que aquele era o jogo mais importante da vida deles, nossos jogadores esbanjavam confiança. Achavam que poderiam decidir a partida quando quisessem. Com “rolinhos”, “chapéu” e dribles desconcertantes, pareciam mais querer humilhar do que jogar futebol. Tudo bem que é o estilo do futebol brasileiro, mas tudo tem limites. E ele chegou, quando o Anthony levou uma encarada de um croata que não permitiu levar um rolinho. Naquele momento ficou claro que além da objetividade, do foco e da vontade de vencer, a Seleção da Croácia jogava sério! Tanto que ela estava preparada até mesmo para correr atrás da desvantagem no placar, enquanto nossos “canarinhos” se mostravam desorientados em campo após terem seus maiores craques anulados pela forte marcação, tanto que após algumas substituições não tão eficazes deram brecha para o gol de empate. Aí entra outra lição que podemos levar para a vida. Aonde estavam as lideranças do time dentro e fora de campo? Não basta ser a melhor equipe se não houver liderança a altura. Se o técnico, como foi o Tite, não se impor, se o Capitão não orientar seus companheiros, o time se quebra. Os elos se rompem e tudo se perde. Todos cometemos erros, mas nem por isso devemos deixar que eles se concretizem se pudermos evita-los. A decisão equivocada do Tite nas cobranças de pênaltis, poderia ter sido evitada. O melhor batedor deveria começar as cobranças, ou, ao menos, não ser o último e deixar escapar a oportunidade de equilibrar a disputa. Foi um absurdo! E o erro não foi só do técnico. Onde estavam os líderes do grupo para chamar a responsabilidade e assumir os riscos? Aonde se escondeu o cara que deveria ter colocado a bola debaixo do braço e se impor? Onde esteve a garra, a gana, o “fogo nos olhos”? Não teve! Por isso, digo que o erro não foi de uma única pessoa, mas de todos! E aqui vejo outro exemplo que podemos levar para nossas vidas, seja pessoal ou profissional. Assumir o erro! Isso não vai mudar o resultado, mas vai mostrar o quanto você está compromissado com seu time ou equipe. Além do que, isso te faz evoluir enquanto ser humano. Ouvir o Tite dizer que “deixa a Seleção tranquilo”, foi demais. Ele não pode estar tranquilo, a menos que representar o Brasil não lhe tenha sido importante. Enfim, essa Copa me deixou duas certezas: a primeira é que como brasileiro, ainda acho que temos a melhor Seleção do Mundo. A segunda, é que isso não é o suficiente para conquistar o Hexa!”. Edison Pires
Leia Mais ...
bottom of page