top of page

Barraca de frutas é demolida e proprietária rebate irregularidade

Publicado em:
25 de janeiro de 2020 19:30:33
Atualizado em:
30 de novembro de 2022 17:56:07
Barraca de frutas é demolida e proprietária rebate irregularidade
Crédito Imagem:

[caption id="attachment_6819" align="aligncenter" width="1280"] Foto: Reprodução/Facebook[/caption]

Na tarde desta 5ª feira, 23, uma barraca de venda de frutas, verduras e legumes, instalada na entrada do bairro Chácara Dora, foi derrubada pela Prefeitura. O fato alcançou grande repercussão, uma vez que a barraca do Carlão das Frutas, como era chamada, também era bastante frequentada. A reportagem procurou pela Prefeitura e pela proprietária do local, a comerciante Cintia Rodrigues, de 30 anos, para saber dos fatos.

A proprietária

Em resposta, a comerciante disse ter sido comunicada sobre um decreto que foi baixado recentemente, onde fica proibida a permanência de comércio ambulante na cidade. Disse também, que cerca de 10 dias após ser comunicada sobre a necessidade de sair, a máquina da Prefeitura chegou e derrubou toda a construção. “Ninguém sabe desse decreto, ninguém viu. Não me deram nenhum prazo para sair de lá. Tenho alvará de funcionamento e paguei pela renovação. Trabalho no mesmo ponto há 4 anos e há cerca de três meses construí a barraca com alvenaria”. Perguntada sobre a mercadoria, ela disse que retira toda noite após encerrar o expediente. Ela afirma que não está irregular.

A Prefeitura

A Prefeitura também respondeu ao jornal. Através de nota enviada pela assessoria de imprensa, assim se manifestou: “Informamos que a Barraca de Frutas localizada próximo ao Trevo do KM 51 tratava-se de uma construção irregular em lugar não adequado (espaço público) e sem alvará de funcionamento, tendo sido notificada seu proprietário para remoção imediata no dia 11 de janeiro de 2020. A Prefeitura, para não prejudicar ainda mais o trabalhador, estendeu o prazo até o dia 19, domingo passado, mesmo assim o ambulante não cumpriu o prazo retirando suas mercadorias apenas na terça-feira, 21. No entanto o mesmo não fez a remoção da estrutura que estava ilegalmente em local impróprio e por isso teve que ser demolida. Ressaltamos que a Prefeitura assim como todos deve seguir e fazer valer a Lei. Temos que valorizar nosso comércio legal, que paga seus tributos, agrega empregos e aquece a economia municipal. Lamentamos a situação e entendemos que a culpa não é só do trabalhador e sim de quem autoriza e incentiva esse comércio informal”, conclui a nota.

Leia Mais ...
bottom of page