top of page

AGU, MP e Defensoria pedem bloqueio de R$26 bi da Vale pelo rompimento das barragens em Brumadinho

Publicado em:
27 de agosto de 2020 19:27:30
AGU, MP e Defensoria pedem bloqueio de R$26 bi da Vale pelo rompimento das barragens em Brumadinho
Crédito Imagem:

[caption id="attachment_16525" align="aligncenter" width="653"] O rompimento das barragens da Mina Córrego do Feijão matou 270 pessoas (Foto: Lucas Prates / Hoje em Dia )[/caption]

A Advocacia-Geral da União (AGU), o Ministério Público do Estado de Minas Gerais, a Defensoria Pública do Estado de Minas Gerais, o Ministério Público Federal e a Defensoria Pública da União pediram à Justiça Estadual de Minas Gerais o bloqueio imediato de R$ 26,6 bilhões da mineradora Vale S/A pelos danos socioeconômicos causados no Estado de Minas Gerais devido ao rompimento das barragens da Mina Córrego do Feijão, localizada em Brumadinho (MG). O desastre, ocorrido em janeiro do ano passado, causou a morte de 270 pessoas, sendo que até hoje 11 continuam desaparecidas. No processo, a AGU atua como amicus curiae, o que permite uma interlocução constante em favor da cooperação federativa e da efetivação do princípio da reparação integral.

A AGU e as demais instituições pedem, ainda, o pagamento de indenização de, aproximadamente, R$ 55 bilhões: R$ 28 bilhões por danos morais coletivos e danos sociais; R$ 26,6 bilhões pelos danos econômicos sofridos pelo estado mineiro e pelo menos R$ 361 mil pelos danos causados ao sítio arqueológico "Berros II".

As entidades pedem o imediato julgamento, por meio de decisão parcial de mérito. Ressaltam a necessidade da concessão de tutela de urgência alegando que os danos causados pela Vale atingem patamar superior a 45 bilhões de reais, "colocando em risco a efetividade da prestação jurisdicional". De acordo com a ação, a magnitude da tragédia é "incontestável", tendo causado "enorme devastação ambiental" com reflexos sobre a vida e as atividades econômicas de milhares de indivíduos, inclusive para o crescimento da economia de Minas Gerais, estado com grande produção mineral. "Faz-se necessário assegurar que tais prejuízos sejam efetivamente reparados".

“O processo revela a relevância de uma atuação proativa e construtiva da AGU. A interlocução integrada permitiu que todos os órgãos públicos envolvidos se articulassem em favor do desenvolvimento sustentável responsável”, ressaltou Marcelo Kokke, procurador federal do núcleo de ações prioritárias da PFMG.

Leia Mais ...
bottom of page