top of page

A falta de ônibus e o emprego - por Edison Pires

Publicado em:
25 de novembro de 2023 12:30:00
A falta de ônibus e o emprego - por Edison Pires
Divulgação
Crédito Imagem:


Nas últimas semanas tenho percebido que aumentaram as reclamações sobre o serviço do transporte coletivo da cidade. Durante o "cafezinho", o assunto aqui na empresa é um dos mais comentados e revela o perrengue que os usuários passam para se adequar às linhas e horários oferecidos. As reclamações são tanto para as linhas municipais quanto as intermunicipais.


Alguns disseram que aos finais de semana os problemas pioram ainda mais. Em alguns casos extremos, nem ônibus tem. Seria interessante o setor responsável apurar esse tipo de informação para dar a devida resposta. Se for mentira, que seja esclarecido para colocar fim no papo-furado. Se for verdade e realmente esteja causando problemas aos usuários, que seja resolvido. O que não pode é ficar como está!

Pelo que entendi, os problemas são muitos e vão desde o descumprimento de horários e itinerários, até a necessidade de criação de novas linhas. Mas, o que está pegando mesmo, é o número reduzido de horários. Além de atrapalhar a vida de quem depende do transporte para assuntos pessoais/profissionais, ainda prejudica quem procura se colocar no mercado de trabalho. Isso porque não consegue ser admitido por não conseguir chegar no horário ou na própria empresa por causa da falta de ônibus. Deu para entender? Um absurdo!

Em pleno século XXI, numa cidade em crescimento (ainda não dá para falar em desenvolvimento), com uma arrecadação monstruosa, ainda tem gente que não consegue arrumar emprego por falta de transporte coletivo. Parece brincadeira, de mau gosto, aliás! Um pai de família ou um jovem que queira iniciar sua carreira profissional, se veem impedidos por falta de ônibus!

Não consigo entender como um problema como esse vem se arrastando a meses sem que ninguém tome uma providência. Li o Editorial da GAZETA da semana passada, e vi que a Câmara já se pronunciou a respeito. Também parece não ter sido ouvida. Qual providência efetiva foi tomada? Se teve alguma, para variar, não foi divulgada! Estão se preocupando mais em encontrar meios para divulgar os horários do que oferecer mais horários. Literalmente estamos na contramão, percorrendo o caminho inverso das necessidades da população nesse e em muitos outros quesitos.

Além dos trabalhadores, as empresas também sofrem com essa falta de novos horários, uma vez que não conseguem preencher o quadro de colaboradores como precisam. Soube por intermédio de um colega, que alguns empresários estão se articulando para, de alguma forma, amenizar esse gravíssimo problema. Estudam até uma linha alternativa de ônibus fretado para transportar os trabalhadores. Já pensou, uma linha de ônibus paralelo só para fazer o dever de casa que outros deveriam ter feito?

Mais uma vez a inciativa privada dando uma lição e assumindo o papel de gestor público, toma à frente procurando solucionar problemas que não são da sua alçada, mas que precisam ser zerados a qualquer custo para o bom funcionamento da cidade. Digo mais uma vez, porque estão fazendo isso com a instalação de pontos de ônibus no Distrito Industrial (para que as pessoas não precisem ficar expostas ao sol ou chuva); estão correndo atrás da instalação do Corpo de Bombeiros na cidade; estão trabalhando sério para a construção do Centro Cultural (vai ter teatro; auditório; salas de dança e música; oficinas); estão viabilizando a instalação da chamada Escola Google na cidade (toda iniciativa do grupo de empresas) enfim, um avanço considerável, só possível graças ao trabalho de empresários.

Enfim, resta torcer para que os problemas com os horários de ônibus sejam solucionados o mais breve possível - já demorou demais - e que trabalhadores consigam empregos e as empresas consigam contratar seus colaboradores. E que, aos finais de semana os usuários do transporte público tenham mais opções de linhas e horários para o seu lazer e compromissos pessoais.

Será que é pedir demais?

Edison Pires

Leia Mais ...
bottom of page